Hipopótamos de Pablo Escobar viram problema ecológico na Colômbia

Autor

Categorias

Compartilhe

Pablo Escobar foi o mais poderoso traficante do mundo durante a década de 80 e início da de 90, sendo responsável por boa parte da produção e distribuição de cocaína em todo o mundo através do famoso Cartel de Medellín. Seus hábitos exóticos também foram notícia no mundo, como por exemplo a Fazenda Nápoles, localizada na cidade de Antioquia, a 165 quilômetros de distância de Medellín, sede de seu império.

Na fazenda, Pablo tinha dezenas de jet skys, carros de corrida, karts, buggies e muitos, muitos mesmo, animais silvestres. Entre eles cangurus, zebras, rinocerontes e hipopótamos. Estes últimos se tornaram um problema ecológico na Colômbia após a morte do traficante em 1993. Os animais presentes na Fazenda Nápoles fugiram, se reproduziaram e tomaram conta da região. Hoje, estima-se que entre 60 e 70 hipopótamos, todos descendentes dos quatro (três machos e uma fêmea) que pertenciam a Escobar, habitem a região.

“Temos entre 60 e 70 hipopótamos vivendo na região, e eles estão causando uma série de problemas ecológicos por aqui”, explicou Gina Serna, veterinária do governo colombiano. Como são animais que não pertencem a fauna da região, os hipopótamos não possuem predadores naturais, e estão causando desequilíbrio ecológico na região, além de serem uma ameaça aos humanos, obrigando o governo a colocar placas avisando sobre o perigo dos animais em diversas regiões da localidade.

Porém, a presença dos animais na região gerou um movimento turístico ao local, que promove excursões para turistas verem os hipopótamos de perto, além de um comércio de lembranças e souvenires remetendo aos animais. O governo colombiano estuda uma forma de retirar os animais do local, mas é criticado por parte da população.

“Para mim, os hipopótamos devem ser mantidos, pois eles geram mais turismo para cá. As pessoas vem aqui e querem ver os animais”, disse Vodan Villegas, proprietário de uma loja de souvenires em Antioquia.

Autor

Compartilhe